terça-feira, 30 de janeiro de 2018

CRENDICES: GRAVIDEZ E PARTO


Hoje trago aqui algumas das crendices sobre a Gravidez e sobre o Parto, retiradas de um extenso lote que cataloguei e publiquei em tempos. É certo que alguns destes costumes, por muito estranhos que nos pareçam, foram tidos em conta (alguns deles ainda são), pelo que o seu registo me mereceu o empenho de os colectar.

- É sinal que a mãe engravida de novo quando a mulher que tem um filho pequeno e este volta a gatinhar, depois de já andar pelo seu pé.

- As mulheres que não satisfaçam os seus desejos gastronómicos, arriscam-se a que os filhos nasçam com a boca aberta e o cabelo espetado.

- As mulheres grávidas não devem usar colares ao pescoço ou objectos de ouro durante o período de gravidez, para que as crianças não tragam sinais na pele.

- Se o parto é difícil, colocam na boca da parturiente a trança do cabelo da própria ou de outra mulher, com o fim de aliviar a dor e facilitar a saída da criança.
- As mulheres grávidas devem comer tudo o que lhes apetecer, não se devendo recusar o que pedirem, para que os filhos não nasçam “augados”.

- Não se deve enervar ou excitar uma mulher que esteja a dar à luz (parir), porque o parto pode “subir” ao cérebro e a pessoa ficar doida ou com dores de cabeça persistentes.

- Se se recusar a uma mulher grávida aquilo que ela deseja comer, acredita-se que a criança nascerá com a boca torta.

- Se se quer saber o sexo da criança que anda no ventre da mãe, cospe-se numa castanha e deita-se ao lume: se estalar, é menina; se não estalar, é rapaz.

- As grávidas não devem pegar nos gatos, porque as crianças nascerão com asma.

- Se a barriga da mulher grávida fica empinada, é sinal de que traz no ventre um rapaz; se crescer alargando as ancas, é rapariga.

- Quando uma grávida sofre de azia, é sinal que o filho terá grande cabeleira, pois é esta que provoca, com as cócegas, os sintomas de azia.

- A mulher que durante o período de gravidez tiver tendências para emagrecer, é sinal de que dará à luz criança gorda; no caso contrário, a criança será magra.

- Quando a mulher vai dar à luz, para que as bruxas não se metam com o filho, espeta-se um prego no chão.

- Quem negar alguma coisa que uma grávida deseje, nasce a esse alguém um terçol.

- Uma mulher grávida não deve entrar no cemitério.
- A mulher grávida não deve tratar do berço ou embaladeira do filho antes de este nascer, para evitar que nasça morto ou venha a morrer cedo.

- Logo após o parto, o primeiro banho do recém-nascido, a que se o povo costumava chamar “água do cu lavado” deve ser feito de modo a que a criança beba dessa água, para se livrar de bruxedos:

  Auguinha de cu lavado
  Livra este menino do mau-olhado.

- A criança que chorar três vezes no ventre materno, ficará fadada para bruxa ou bruxo.

- As dadas (afecções dos seios das mulheres paridas) curam-se quando a mulher esfregar os peitos com a fralda da camisa do homem, rezando o seguinte:

  Quando o Senhor pelo mundo andava
  Bom homem lhe deu pousada,
  A má mulher lhe fez a cama
  Sobre as vides e sobre a lama.
  Vai-te embora, dada
  Foge desta mama.

- Também para que as dadas não apareçam, colocam-se, atravessadas na cama da mulher que vai ter um filho, as calças do marido.

- Para as afecções dos seios em geral, untam-se com azeite fervido.


- A mulher que amamentou e pretende que o leite seque, deve dar uma gota dele a uma gata.

domingo, 28 de janeiro de 2018

O BANDARRA - 1º Trimestre de 2018


Dentro em breve receberei da gráfica mais um número trimestral deste livro/revista, com 210 páginas recheadas de assuntos regionais... e não só desses.
Já estou a trabalhar no próximo, para poder prevenir atrasos nas datas de publicação que eu me impus.
Todo ele é feito por mim: recolhas; edição do texto; montagem; paginação e capa - só vão para a gráfica os PDF's, para impressão. Depois disso, faço a distribuição pelos três ou quatro postos de venda. Não vendo directamente, mas  ofereço alguns exemplares aos amigos e a quem me der na veneta.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

A INFLUÊNCIA DE AQUILINO


Este projecto de capa é, muito naturalmente, inédito e assim continuará a ser em termos de papel impresso. Respeita a uma adaptação de uma das mais conseguidas e maravilhosas narrativas extraída de "O Malhadinhas", de Aquilino Ribeiro.
Já referi este mesmo assunto, algures para trás, neste blog. Não escondo que sou, desde muito novo, um leitor do Mestre e que, até determinada altura, o seu estilo de escrita me influenciou, tanto mais que a vivência regional é comum.
Esta passagem da novela aquiliniana, foi publicada em "O Mundo de Aventuras", essa revista magistralmente dirigida pelo Amigo Jorge Magalhães. É natural que o meu incipiente traço não merecesse essa aceitação, não fosse o caso de o Jorge abrir oportunidades aos jovens autores portugueses, proporcionando uma nova vaga de desenhadores, ilustradores e argumentistas.
Para além desse pormenor, a minha pequena adaptação mereceu do  Jorge a honra de capa (houve mais dois trabalhos meus a quem dedicou igual cortesia e honra), tanto mais importante e significativa quanto se sabe que entregou a tarefa a um Genial ilustrador, que é o Augusto Trigo.
Quem me conhece sabe que não tenho propensão ao saudosismo, mas neste ponto tenho de reconhecer que me faz falta - que nos fazem falta - uma revista como o Mundo de Aventuras, um coordenador como o Jorge Magalhães e ilustradores com a categoria do Augusto Trigo.


quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

AUTOR,EDITOR,DISTRIBUIDOR


No teatro das operações editoriais, assumo três papeis; ou melhor, quatro, se incluir o de composição gráfica. Tudo o que sai do meu bestunto, passa pela minha oficina digital, transporta uma espécie de chancela editorial e distribui-se, consoante a gama, o publicado. À margem desta ditadura, fica para uma gráfica exterior apenas - e só apenas - a impressão dos PDF's da capa e miolo (e, por vezes, o arranjo das medidas da lombada com a espessura do miolo), o que quer dizer que faço o que quero e como quero. Depois é só entregar nos espaços habituais, oferecer a margem dos 30 por cento costumados e aguardar por reposições. Pessoalmente, não vendo um único exemplar.
Sei o que o público local requer, também presumo o que de melhor se pode oferecer para venda aos turistas e adventícios. E não tenho razões, por ora, para bocejar.
O título que hoje trago à publicidade deste blog é aquele que abre uma nova colecção. Para bem dizer, reabre uma outra colecção de títulos localizados, de que saíram sete números e de que não restam vestígios vendáveis. Trata-se das Profecias do Bandarra (todas as minhas edições anteriores, em número de oito, estão esgotadas), numa nova edição, desta vez integrada numa série de que já está previsto mais quatro números. Há ainda a ousadia de preparar de antemão as sequências, fazendo disso publicidade na contracapa, como o caso que hoje ilustra este post.
Há um Amigo (dos verdadeiros, entenda-se) que me augurou viver até aos 100 anos, graças a esta forma de ser, de estar, de construir e de publicar. Isso, a confirmar-se, significa que me faltam mais 34, podendo continuar a empilhar títulos como se construísse uma  espécie de pirâmide de Gizé, se tiver pachorra e saúde para o fazer.
Com este propositado sistema, não necessito passar a escrito qualquer contrato, não há divergências nas diversas fases da autoria, edição e distribuição e continuo a dar vazão ao "vício" que apanhei não sei quando, nunca soube como e não sei onde.


quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

THE AFRICAN QUEEN (5)


Tenho andado pouco  dedicado a esta página, é um facto, pois sou vagabundo em outras coordenadas.
Corro livre, sem disciplina, ao sabor dos apetites autorais e editoriais, sem que com isso goze dos direitos patrimoniais que seria suposto subjacentes. A Banda Desenhada é para carolas e teimosos - como eu - porque, tirante os super-heróis, não há super-leitores que apostem na compra deste género de arte e literatura. Isso não significa que eu deixe de a fazer, porque quando desenho sou eu o primeiro leitor, talvez mais interessado do que qualquer outro, uma vez que padeço e faço parte desta aventura. Por outro lado, tento manter os compromissos que assumi para comigo, em contrato secreto e particular, para uma lida diária com algumas tréguas. Disso tentarei dar conta, ainda antes do findar do ano.
Donde se conclui que, trazendo hoje um assunto já refinado em abordagens anteriores, prove que desistência ou rendição são termos que não constam nas lapelas da minha obra singela. É certo que "A Rainha Africana" está de repouso há algum tempo, mas no seu dossier não consta o termo "aqui jaz...". Pode inferir-se que, a determinado momento, sem que nada o faça prever, continue com o projecto.
Por hoje, três amostras do trabalho "riscado", incluindo a página 1.


sábado, 23 de dezembro de 2017

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A MINHA OPINIÃO - TRANCOSO NO "SAPO"


No portal SAPO foi hoje publicado um artigo de opinião, da minha autoria, sobre Trancoso.
Para quem o queira ler, basta aceder àquela plataforma através da página inicial ou digitar/copiar/colar o link seguinte
http://24.sapo.pt/atualidade/especiais/a-minha-terra

ou o link mais directo, que é
http://24.sapo.pt/opiniao/artigos/trancoso-se-sete-vidas-tivesse

Boa leitura